Como abandonar a paralisia e focar no concurso da polícia - Concurso Policial - o passo-a-passo para se tornar policial

Técnicas de Estudo

Como abandonar a paralisia e focar no concurso da polícia

Capitão Danillo
Escrito por Capitão Danillo
Como abandonar a paralisia e focar no concurso da polícia
Dicas e técnicas para chegar à aprovação mais rápido

Aprenda a se preparar para o seu Concurso Policial:

Falta de foco, paralisia, preguiça, procrastinação, falta de disciplina, tédio, desinteresse. Existem várias palavras e expressões para dizer a mesma coisa: você quer ser policial, mas não consegue manter uma frequência nos estudos.

Sim, sou Capitão da Polícia Militar, estudei e passei no concurso para o Curso de Formação de Oficiais. Mas não pense que minha jornada foi linear. Vários dias acordando sem vontade de estudar. Dezenas de distrações e tentações me seduzindo para sair do foco. A sensação de que o caminho era muito longo e que talvez estivesse perdendo tempo porque, afinal, eu não ia conseguir.

Não pense que chegar à aprovação no seu concurso policial vai ser algo suave e sem obstáculos. Por experiência própria posso dizer que será difícil e exigirá muita dedicação. Mas é plenamente possível ter uma preparação consistente, com a capacidade de superar as dificuldades que surgem ao longo dos estudos.

Neste artigo vamos conversar um pouco sobre algumas técnicas e medidas que você pode adotar para abandonar a falta de foco nos estudos para o concurso da polícia. São análises baseadas na minha própria experiência e no que vi dar certo com inúmeros candidatos aprovados que frequentaram o Concurso Policial.

No final da leitura deixe um comentário dizendo o que achou do artigo. Sua participação é fundamental para continuar produzindo conteúdo por aqui.

Vamos nessa.

Sua vontade de ser policial

Ser policial

Digamos que você fique sabendo que existe uma concessionária na sua cidade que está fazendo uma grande promoção para vender carros. Um carro que normalmente é vendido por R$40 mil está sendo vendido por R$5 mil. Isso mesmo: R$35 mil reais de desconto.

Caso uma promoção desse tipo apareça, o que lhe impediria de comprar o carro? Mesmo que você não tenha a grana, provavelmente irá pedir emprestado ou fazer algo para agarrar essa oportunidade. Dificilmente vai deixar de fazer isso por preguiça, falta de foco, paralisia, procrastinação etc.

Qual a diferença entre essa promoção e o concurso da polícia? Por que, no caso da compra do carro, você tende a agir com extrema agilidade e determinação, e no caso do concurso você pode estar completamente desolado para seguir uma preparação consistente?

Existem duas possibilidades. A primeira é: você não quer mesmo ser policial.

Nada de mal com isso. Se você não tem real vontade de se tornar policial, se isso não é uma convicção interna clara na sua vida, vai ser difícil tomar decisões diárias para estudar e seguir interessado no concurso. Talvez seja melhor parar e analisar se é isso mesmo que você quer. Perceba quais resistências existem para que essa decisão seja tomada.

Mas se você tem clareza de que a carreira policial é indiscutivelmente algo que você quer, e mesmo assim não consegue focar nos estudos, provavelmente está faltando compreensão sobre como funciona seu instinto.

Entendendo seu instinto

Por que você não consegue focar

Não podemos esquecer que somos animais. Somos programados, biologicamente, para economizar energia, tomando decisões e agindo apenas para garantir nossa sobrevivência imediata.

Isso tem a ver com a preservação da nossa espécie: para se manter vivo em meio às dificuldades do mundo primitivo, era preciso estar sempre resguardado, exigindo o mínimo do corpo e da mente, já que o próprio ambiente exigia muito esforço para sobreviver (caçar, fugir de predadores, lidar com tempestades etc).

Por isso, a tendência é que você se sinta mais atraído por ficar deitado maratonando séries do que fazendo cálculos mentais nos estudos. Sempre será mais prazeroso aquilo que traz menos esforço, e, portanto, faz você guardar mais energia.

Nossa grande contradição é que desenvolvemos a racionalidade mantendo os padrões instintivos dos demais animais. Então temos uma disputa interna que faz com que queiramos uma coisa, mas nem sempre consigamos executar aquilo. A razão diz: “eu preciso estudar três horas hoje”. O instinto diz: “melhor ficar na cama vendo as redes sociais”. O problema é que muitas vezes seguimos o instinto em vez da razão.

Isso significa que você não quer ser policial? Não. Significa que você está seguindo o seu instinto, e não sua razão.

Ganhando a batalha contra o instinto

Superando o instinto

Você precisa conhecer e aceitar que tem instintos que lhe levam para longe do seu grande objetivo: passar no concurso da polícia. Mas não significa que você precisa segui-los sempre. Na verdade, existe uma forma de “driblar” esses impulsos de maneira bem eficiente: a criação do hábito de estudar.

Você cria o hábito de estudar quando seu instinto se adaptou tanto à prática dos estudos que sua mente e seu corpo já não gastam tanta energia para realizar essa tarefa.

Não sei se você já dirigiu um carro. No início, quando ainda somos motoristas iniciantes, precisamos pensar muito, lembrar a maneira correta de usar as mãos e os pés. Muitas vezes esquecemos de ligar os faróis, sinalizar antes de fazer curvas… Enfim. Dirigir é uma tarefa muito tensa e cansativa para quem está começando.

Mas, conforme vamos praticando, dirigir se torna um hábito, uma ação automática do nosso corpo. Isso porque nosso instinto, quando percebe que uma tarefa é desempenhada com frequência no nosso dia-a-dia, começa a ativar uma espécie de “piloto automático”, possibilitando que aquela atividade seja realizada sem a necessidade de muitos cálculos e planejamentos. Você simplesmente vai lá e faz.

Essa é a estratégia do instinto para economizar sua energia naquela tarefa. É como se ele dissesse: “já que essa atividade vai ser feita todo dia, vou fazer com que ela seja feita automaticamente, sem gastar energia para elaborar os detalhes”.

É nesse ponto que você ganha a batalha contra seu instinto. Um hábito foi criado.

Talvez você esteja se perguntando: quanto tempo demora até meu instinto compreender que uma atividade deve ser considerada um hábito? Depende. Cada um tem um tempo específico para isso, mas as experiências científicas mostram que algo em torno duas semanas a dois meses.

(Um bom livro para entender melhor sobre o tema é “O Poder do Hábito”, de Charles Duhigg).

O que fazer, na prática

Hábito de estudar

Quando falo nos vídeos e textos aqui do site que você precisa estudar diariamente é exatamente por isso: quanto mais espaço entre seus ciclos de estudo, menos você tem chances de criar o hábito de estudar, e mais seu instinto vai considerar essa atividade como algo que vai fazer com que você perca energia, criando, assim, obstáculos mentais para a sua preparação.

Existem duas práticas que vão ajudar bastante a criar o hábito de estudar:

  1. Tente estudar sempre no mesmo lugar, no mesmo horário e após ter realizado a mesma atividade todo dia. Por exemplo: estudar sempre às 09h da manhã, após ter passeado com o cachorro.
  2. Crie recompensas sempre que encerrar um ciclo diário de estudo. Por exemplo: você só tem direito a sobremesa nos dias em que completou um ciclo de estudo.

Comece devagar: para criar o hábito não é necessário passar muito tempo estudando. O mais importante é evitar passar um dia sem estudar. Isso simplesmente pode dar início a um novo hábito, exatamente o contrário daquilo que você quer. Ciclos de estudo com uma hora, com intervalo de dez minutos, já é suficiente para começar.

Seus projetos concorrentes

Projetos concorrentes

Também é importante observar a quantidade de projetos que você se dedica. Alguns candidatos fazem várias coisas ao mesmo tempo, esquecendo que a quantidade de energia que possuem é limitada.

Você faz faculdade, curso de inglês, trabalha, faz aula de violão etc. Como vai sobrar disposição para estudar com sua energia direcionada pra tantas atividades ao mesmo tempo?

Para ser aprovado no concurso da polícia você vai precisar priorizar os estudos na sua rotina. Considere a possibilidade de pausar todos os projetos que tomam seu tempo, e mantenha o foco na preparação. A depender do projeto, a decisão pode ser difícil, mas calcule o que realmente importa para sua vida.

Vale lembrar o famoso provérbio chinês que diz que “Podemos escolher o que plantar, mas somos obrigados a colher o que semeamos”.

O que você quer colher daqui a um ou dois anos?

Overdose de informação

Overdose de informação em concurso da polícia

Vivemos numa época em que é muito fácil ter acesso a informação. Instagram, WhatsApp, Facebook, Youtube, Twitter, Google, Telegram… Podemos nos conectar e consumir conteúdo de diversas fontes, aprendendo e tomando conhecimento de fatos próximos ou muito distantes de nós.

O problema dessa disponibilidade é que corremos o risco de entrar numa overdose de informação, paralisando nossa mente e reduzindo a capacidade de adquirir conhecimento. Isso acontece porque temos um limite de atenção para utilizar no nosso dia.

Após passar duas horas lendo mensagens de grupos no WhatsApp, a tendência é que sua mente esteja cansada e desconcentrada. Vai ser difícil ter ânimo para estudar depois disso. Perceba que o uso das mídias sociais treinam sua atenção para o contrário do que você precisa nos estudos: muitas fontes de informação ao mesmo tempo, aparecendo de maneira rápida e superficial.

Para estudar para o concurso da polícia você precisa de foco e atenção constante em um único conteúdo. Em vez de fotos, textos e vídeos curtos, típicos das redes sociais, você precisa treinar a sua atenção em textos longos e bem elaborados. Afinal, lembre-se que você vai precisar ficar entre 4 e 5 horas fazendo a prova do seu concurso, 100% focado.

Organização é fundamental

Organização para concurso policial

Uma ferramenta poderosa para lhe tirar da paralisia é a definição de um plano. Parece simples e trivial, mas objetivos de médio e longo prazo exigem que você defina com antecedência quais passos vai dar. Quando as distrações chegarem, você vai pensar duas vezes em “desobedecer” o seu próprio planejamento.

Um plano de estudos para o seu concurso policial deve levar em consideração não só sua rotina e tempo disponível, mas também o conteúdo programático do seu concurso. Já escrevi sobre isso aqui no site, mostrando como estudar do zero para o concurso da polícia.

Seu plano pode estar em uma agenda, num caderno, em um documento digital etc. O mais importante é estar preparado para quando a preguiça, o desânimo e a paralisia chegar: você simplesmente segue o plano.

***

Agora que chegou ao final do artigo, quero que deixe um comentário como forma de contribuição 100% gratuita pelo conteúdo. Faço questão de ler cada comentário, e respondo na primeira oportunidade.

Dúvidas, críticas e sugestões são muito bem-vindas.

Vamos conversando!

Quer mais conteúdo?

Deixe um comentário com dúvidas, pedidos ou sugestões: