Entrevista: o cotidiano e dicas de um Soldado PM-PR - Concurso Policial - o passo-a-passo para se tornar policial

Entrevistas

Entrevista: o cotidiano e dicas de um Soldado PM-PR

Capitão Danillo
Escrito por Capitão Danillo
Entrevista: o cotidiano e dicas de um Soldado PM-PR
Dicas e técnicas para chegar à aprovação mais rápido

Aprenda a se preparar para o seu Concurso Policial:

O trabalho policial possui características bem diferentes das demais profissões. Além de envolver riscos, exige mudanças radicais na conduta e comportamento de quem se candidata à carreira.

Para entender melhor sobre esses detalhes, é fundamental ouvir aqueles que estão desempenhando o trabalho policial nesse momento. Por isso trago hoje mais uma entrevista que fizemos com um policial, dessa vez um soldado da Polícia Militar do Paraná.

O soldado Gladiston ingressou na PMPR em 2008, e falou um pouco sobre a sua preparação e a rotina de trabalho na Corporação. Muito interessante:

Concurso Policial: Como você ingressou na Polícia Militar do Paraná? 

Soldado PMPR Gladiston: O meu ingresso na polícia foi em 2008, através de um concurso. Meu pai já era policial e eu tinha conhecimento, tinha vontade de trabalhar com ele, igual a ele. Daí o primeiro concurso que acabou saindo eu tive a oportunidade de fazer e passei! Foi dessa forma que eu entrei.

Concurso Policial: Como se preparou para passar no concurso?

Soldado PMPR Gladiston: Para passar no concurso, eu estudei através de apostilas – estudei em casa mesmo. Aqui no Paraná se cobra o Estatuto da Criança e do Adolescente, cai em média umas 4 a 5 perguntas específicas disso… Em casa mesmo, essa foi a minha preparação. Aí, assim que consegui passar na parte intelectual, comecei a me preparar para a parte física. Três meses após os exames preliminares eu fiz o TAF, que é o teste de aptidão física e passei também. Mas minha preparação foi toda em casa, eu optei por não fazer cursinho mesmo.

Concurso Policial: O que mudou na sua vida ao se tornar policial militar?

Soldado PMPR Gladiston: Muda muita coisa na vida da gente. Nós estamos acostumados a ter uma vida social, em que a gente pode tudo, não deve satisfação a ninguém. Porém, quando você ingressa na PM, o militarismo te ensina muita coisa. Te ensinar a dar valor a coisas que você não dava antes.

A vida militar restringe muito as coisas, você passa a ser exemplo. Tudo que você faz, deixa de fazer… às vezes se trata de uma coisa mínima, que seria normal que outra pessoa fizesse, mas sendo militar já se torna algo maior.

Eu até brinco: quando a gente ingressa na Polícia Militar, a gente deixa ter muitos “direitos” e a passa a ter deveres, mesmo!

“O fato de estar ali, fazendo o que você ama, é muito gratificante!”

E é mais ou menos assim, você perde amizades, até as mais próximas, assim. Seu círculo de amizades muda muito mesmo. E até o seu convívio militar dá uma mudada também, porque você acaba ficando mais sério também, fica mais apreensivo quando você sai, desconfia de tudo e de todos… muda muita coisa.

Concurso Policial: Valeu a pena?

Soldado PMPR Gladiston: Valeu, sim! Porque era algo que eu queria. Quando você faz algo que você gosta, te dá satisfação. Você não pode pensar que vai fazer as coisas esperando algo em troca, mas o fato de estar ali, fazendo o que você ama, é muito gratificante! Valeu muito a pena.

Concurso Policial: Como foi a relação entre a expectativa e a realidade após a aprovação?

Soldado PMPR Gladiston: É um choque quando você é aprovado. Quando você inicia a Escola de Formação e tudo! Você não está acostumado com a vida militar: você perde um monte de direitos, ganha muitos deveres, fica muito preso na Escola durante a formação… Então é um choque muito grande: você espera que seja de uma forma, mas você percebe que não é como você esperava  – é bem sugado, muita cobrança com as coisas, o cabelo cortado, a farda bem passada, sua postura na rua, sua aparência… é um choque de realidade bem grande. Depois que você entra, você vai vendo como é o sistema, que não dá para chegar “querendo mudar o mundo”: não é assim que funciona e você precisa agir dentro da lei, para não se prejudicar.

Concurso Policial: Como é a rotina de trabalho hoje?

Soldado PMPR Gladiston: A rotina de trabalho depende muito da unidade que você está, do comando, do lugar que você trabalha. Geralmente na rua você trabalha por escalas. A minha escala mesmo é 12/24h e 12/72h. Mas o pessoal que trabalha interno tem outra escala, trabalha todos os dias, não trabalha à noite.

Concurso Policial: Quais são os maiores desafios da carreira?

Soldado PMPR Gladiston: O maior desafio da carreira é saber separar o seu serviço com a sua vida pessoal. É não levar os problemas que você acaba enfrentando no serviço para sua casa. Na rua você só absorve problema: você vai resolver problemas das pessoas, ou tentar solucioná-los. Nem sempre você consegue, obtém êxito – e às vezes isso acaba te prejudicando emocionalmente. Você vê muita tristeza, muita desgraça e às vezes você acaba pesando isso, você acaba não conseguindo diferenciar isso da sua vida particular. Esse é um dos maiores problemas, isso pode complicar, entende? Muitos policiais acabam tendo problemas psicológicos por causa disso.

Concurso Policial: Quais foram as vantagens que você encontrou na profissão?

Soldado PMPR Gladiston: As vantagens: você tem estabilidade, emprego, você é concursado, tem um respaldo também – você fazendo tudo dentro da lei, tem um respaldo muito bom, uma posição muito boa mesmo.

Concurso Policial: Qual conselho você daria a quem sonha ingressar na carreira policial-militar?

Soldado PMPR Gladiston: O conselho que eu dou para o candidato que quer ingressar é que ele não tem que pensar na estabilidade de ser um concurso, porque está difícil o emprego hoje… A polícia é coisa séria: você pode perder a sua vida trabalhando em prol dos outros. É algo que você tem que fazer porque você gosta, não por salário, não por achar que aquilo é só mais um concurso. Polícia Militar, Federal, Rodoviária Federal… Não é só mais um concurso: é um concurso que todo dia você sai de casa e você não sabe se volta. Estando fardado ou não, porque você é alvo – você é alvo 24 horas. Então, a partir do momento que você vira policial, você não é só mais um: é diferente, sua vida muda. Então, não queira prestar o concurso buscando sua estabilidade financeira, é essa a realidade que eu passo: faça porque você gosta.

Quer mais conteúdo?

Deixe um comentário com dúvidas, pedidos ou sugestões: